Abram alas para as flores da primavera e esperança fortalecida no ar

Avizinha-se a primavera. A alma, já preparada pela florada dos ipês, anseia pela época das cores e clima mais quente. Muitos serão avessos, contrários ao mormaço brasileiro presente em todos os cantos do país. Ele tem sido severo, é verdade, mas consigo traz a leveza de se vestir, se portar, após nove meses de vida rotineira em 2021. A primavera nos faz parar, ver a beleza e crer que, daqui em diante, tudo será melhor.

Caminhando a dois anos de imposições da pandemia – digo, quem não negou sua existência -, podemos ter um pouco mais de liberdade, sem descuidar desse vírus que é uma incógnita e que tanto estrago já causou. Eu mesmo, desde o meado do último mês, tenho convivido com incômodos resquícios do vírus, que vez em quando ainda vêm: dor de cabeça e tosse, fora o cansaço extremo que, Deus é pai, parece ter ido mesmo embora. Não faltam relatos de pessoas que ficam tempos com os sintomas – meses, inclusive.

Meu cansaço foi incapacitante, de modo que bastava começar alguma atividade para logo querer voltar à cama. A dor de cabeça, principalmente trabalhando à frente do computador, torna impossível produzir por muito tempo e mesmo ações simples como ler um livro, causa dor. Nessas horas, vemos como é bom estar bem, não estar sentindo nada e vivendo normal. O episódio me obrigou a adiar a primeira dose da vacina que tanto esperei por mais um mês. Só no último dia 13 tomei a agulhada da Pfizer e agora aguardo a segunda. Nas festas de fim de ano estarei imunizado e isso me alegra, assim como a chegada da primavera.

Tom Jobim, meu maestro soberano, compôs em “Meditação”:

“Quem acreditou
No amor, no sorriso, na flor
Então sonhou, sonhou
E perdeu a paz
O amor, o sorriso e a flor
Se transformam depressa demais

Quem, no coração
Abrigou a tristeza de ver tudo isto se perder
E, na solidão
Procurou um caminho e seguiu
Já descrente de um dia feliz

Quem chorou, chorou
E tanto que seu pranto já secou
Quem depois voltou
Ao amor, ao sorriso e à flor
Então tudo encontrou
E a própria dor
Revelou o caminho do amor
E a tristeza acabou”

Genuína felicidade ir e voltar; ter a pureza de acreditar, perdê-la, mas seguir, retomar. Assim fazemos com nossas esperanças, que em momentos pareciam ir rio abaixo durante a pandemia. Esperança de ver o genocida do presidente complicar-se cada vez mais. De crer que não mais elegeremos alguém como ele, afinal as novas gerações não o suportam, ou ao menos a sua maioria. De saber que a cada problema, podemos olhá-lo de perto, de maneira a evitarmos que aconteça novamente, ou podendo reduzir seus danos.

A primavera chegou e quem na flor acreditou, como escreveu Tom, tudo encontrou. As flores existem da mesma forma que a seca e as tempestades. Saber que as flores existem nos faz passar pelas intempéries, pelos desgovernos, pela pandemia. Nada é para sempre e na efemeridade mora a beleza. Saibamos aproveitar a primavera e extrair tudo que ela nos dá para seguir em frente, acreditando e voltando sempre ao amor, ao sorriso, à flor.

Publicado por Fábio Blanco

Jornalista, natural de Londrina (PR), que quer explorar o que o encanta no mundo através da escrita. Apaixonado por futebol, música e pelas belezas do cotidiano, em detrimento das suas regras e poderes. Humano, acima de tudo.

6 comentários em “Abram alas para as flores da primavera e esperança fortalecida no ar

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: